GRAÇAS A BRAVELY DEFAULT A SQUARE ENIX DESCOBRIU SEUS FÃS DE JRPG MUNDO AFORA
A IDEIA AGORA É DESENVOLVER MAIS TÍTULOS PARA ESTAS PESSOAS, EU INCLUSO
Quem acompanha a Square Enix desde a época de Squaresoft guarda recordações de uma era mágica que não se repetiu, segundo muitos, nos dias de hoje. O clássico trio de Final Fantasy para PSOne, incluindo VII, VIII e IX, é um exemplo “recente” do que a empresa era conhecida, respeitada e amada. Os tempos mudaram e, enquanto ela não tenha deixado de realizar clássicos (como Kingdom Hearts e The Worlds Ends With You), sua principal franquia já não é mais a mesma.
Bravely Default foi um dos responsáveis por fazer com que a SE repensasse quanto seus JRPGs e o apelo que eles têm no mundo. O título para 3DS, que lembra deveras um Final Fantasy clássico mas dá espaço para atualizações em sua fórmula, vendeu mais de 200 mil cópias na América do Norte! Lembrando que foi a Nintendo que tomou a iniciativa de localizá-lo no lado de cá do globo.
Segundo entrevista à Nikkei Trendy o atual presidente da SE, Yosuke Matsuda, confessou que agora eles perceberam que os fãs de JRPGs estão espalhados mundo afora e que há a ideia de focar nos desenvolvimento para estas pessoas. Isso quer dizer que um RPG japonês trará elementos ao público nipônico, o que consecutivamente quer dizer que ele terá a capacidade de agradar os fãs deste conteúdo fora do Japão. Este conceito não se aplica apenas a jogos de um gênero específico, mas o que faz de uma franquia um sucesso; tomemos por outro exemplo a ideia de realizar um Hitman com elementos que os fãs da série aguardam e não mais outras particularidades para um apelo de massas: lendo isso tenho maiores expectativas pelo futuro de, digamos, Final Fantasy.
Alguns consideram, como o produtor Dave Cox da Konami, o mercado de nicho algo infrutífero. Já Matsuda tem nele sua estratégia para retornar às raízes e audiência núcleo, ou um público que gosta daquele tipo de jogo. 
Que todo o conceito de Yosuke Matusuda/Square Enix reflitam em RPGs/jogos que revivam os tempos dourados sem necessariamente precisarmos de remakes e/ou remasterizações.
[Fontes: Siliconera, Kotaku]

GRAÇAS A BRAVELY DEFAULT A SQUARE ENIX DESCOBRIU SEUS FÃS DE JRPG MUNDO AFORA

A IDEIA AGORA É DESENVOLVER MAIS TÍTULOS PARA ESTAS PESSOAS, EU INCLUSO

Quem acompanha a Square Enix desde a época de Squaresoft guarda recordações de uma era mágica que não se repetiu, segundo muitos, nos dias de hoje. O clássico trio de Final Fantasy para PSOne, incluindo VII, VIII e IX, é um exemplo “recente” do que a empresa era conhecida, respeitada e amada. Os tempos mudaram e, enquanto ela não tenha deixado de realizar clássicos (como Kingdom Hearts e The Worlds Ends With You), sua principal franquia já não é mais a mesma.

Bravely Default foi um dos responsáveis por fazer com que a SE repensasse quanto seus JRPGs e o apelo que eles têm no mundo. O título para 3DS, que lembra deveras um Final Fantasy clássico mas dá espaço para atualizações em sua fórmula, vendeu mais de 200 mil cópias na América do Norte! Lembrando que foi a Nintendo que tomou a iniciativa de localizá-lo no lado de cá do globo.

Segundo entrevista à Nikkei Trendy o atual presidente da SE, Yosuke Matsuda, confessou que agora eles perceberam que os fãs de JRPGs estão espalhados mundo afora e que há a ideia de focar nos desenvolvimento para estas pessoas. Isso quer dizer que um RPG japonês trará elementos ao público nipônico, o que consecutivamente quer dizer que ele terá a capacidade de agradar os fãs deste conteúdo fora do Japão. Este conceito não se aplica apenas a jogos de um gênero específico, mas o que faz de uma franquia um sucesso; tomemos por outro exemplo a ideia de realizar um Hitman com elementos que os fãs da série aguardam e não mais outras particularidades para um apelo de massas: lendo isso tenho maiores expectativas pelo futuro de, digamos, Final Fantasy.

Alguns consideram, como o produtor Dave Cox da Konami, o mercado de nicho algo infrutífero. Já Matsuda tem nele sua estratégia para retornar às raízes e audiência núcleo, ou um público que gosta daquele tipo de jogo. 

Que todo o conceito de Yosuke Matusuda/Square Enix reflitam em RPGs/jogos que revivam os tempos dourados sem necessariamente precisarmos de remakes e/ou remasterizações.

[Fontes: Siliconera, Kotaku]

A VINGANÇA EM SHADOW OF MORDOR TEM DATA

PREPARE-SE PARA A FÚRIA DE TALION SR. SAURON

Esposa e filho assassinados, uma busca inicial por vingança mal sucedida. Talion, herói em Middle-Earth: Shadow of Mordor, consegue uma segunda chance graças a um espírito vingativo que, assim como o próprio, teve sua vida arruinada pelas hordas e trevas de Sauron. O trailer atual é todo sobre isso.

Além da história o fim do vídeo confirma que aquele-que-parece-ser-o-melhor-RPG-baseado-na-Terra-Média chegará em 7 de Outubro para XBO, X360, PS4, PS3 e PC. Quem garantí-lo em pre-order irá receber a skin/vestimenta de Dark Ranger e o acesso ao desafioTest of Power”, no qual poderemos enfrentar os capitães de Sauron.

No mês do meu aniversário já tenho o que pedir de presente. Lembrando que Shadow of Mordor conseguiu um lugar muito especial na minha wishlist deste ano

NATURAL DOCTRINE EM INGLÊS ACONTECERÁ
CORTESIA DA NIS AMERICA
O primeiro desenvolvimento da própria Kadokawa Game Studio vem gerando interesse desde seu anúncio. Na verdade, o tema usado no trailer ajudou bastante quanto a isso e, de qualquer forma, um SRPG com ares promissores é também sempre bem vindo.
No Japão Natural Doctrine foi lançado no último dia 3 de Abril, mas em um movimento rápido a NISA já confirmou ter adquirido os direitos para localizá-lo ainda este ano tanto na América do Norte quanto Europa. O release de ND abrange o PS4, PSVita e também PS3, tudo com direito a cross-play e cross-save entre as plataformas.
O pontapé inicial no enredo aqui envolve a exploração de um grupo nas profundezas de um reino em busca de um material conhecido como Pluton. Quando lá estão descobrem que um mal ameaça o reino acima, logo eles precisam informar sobre o mesmo e dar um jeito de erradicar as trevas que espreitam-se por aí. 
Nunca é cansativo lembrar que Atsushi Ii quem está no cargo da direção, o cara que é o “pai” de Patapon (um dos estratégicos mais originais do PSP). A busca em trazer algo novo através de Natural Doctrine também faz dele um jogo a se ficar de olho, e um que com sorte apresentará um trabalho competente quando lançado.

NATURAL DOCTRINE EM INGLÊS ACONTECERÁ

CORTESIA DA NIS AMERICA

O primeiro desenvolvimento da própria Kadokawa Game Studio vem gerando interesse desde seu anúncio. Na verdade, o tema usado no trailer ajudou bastante quanto a isso e, de qualquer forma, um SRPG com ares promissores é também sempre bem vindo.

No Japão Natural Doctrine foi lançado no último dia 3 de Abril, mas em um movimento rápido a NISA já confirmou ter adquirido os direitos para localizá-lo ainda este ano tanto na América do Norte quanto Europa. O release de ND abrange o PS4, PSVita e também PS3, tudo com direito a cross-play e cross-save entre as plataformas.

O pontapé inicial no enredo aqui envolve a exploração de um grupo nas profundezas de um reino em busca de um material conhecido como Pluton. Quando lá estão descobrem que um mal ameaça o reino acima, logo eles precisam informar sobre o mesmo e dar um jeito de erradicar as trevas que espreitam-se por aí. 

Nunca é cansativo lembrar que Atsushi Ii quem está no cargo da direção, o cara que é o “pai” de Patapon (um dos estratégicos mais originais do PSP). A busca em trazer algo novo através de Natural Doctrine também faz dele um jogo a se ficar de olho, e um que com sorte apresentará um trabalho competente quando lançado.

PERSONA 4 VEM AÍ, DE NOVO!
 REACH OUT TO THE TRUTH POR U$10
Trabalhar, estudar, trabalhar, estudar… onde encontro tempo para conhecer todas as coisas boas da vida virtual?! Persona 4 está na minha infinita lista de pendências, e ele até andou me fazendo cogitar a compra de um PSVita… mas pelo visto P4 Golden, a edição “definitiva”, vai esperar mais um pouco: o título original estará retornando para PS3 pela PSN como um PS2 Classic logo logo, a partir de 8 de Abril!
P4 é um caso muito bem sucedido, um dos melhores RPGs disponíveis por aí. Isso não sou eu quem está dizendo, são várias outras pessoas. Embora não o tenha conhecido propriamente falando, já assisti sua versão animada (muito boa) e amo sua trilha sonora — este último detalhe culpa de Shoji Meguro (pra variar).
Ah, e se a mencionada trilha sonora não lhe conquistar, com faixas como Reach Out to the Truth, lembre-se das fusões de Personas, das batalhas por turnos, e de todo o ar colegial e cool que estes investigadores de assassinatos passam.
6 anos depois e Persona 4 continua dando muito o que falar, felizmente! Guarde U$10 e você talvez poderá dizer que eles foram os "10 dólares mais bem gastos na minha vida". 

PERSONA 4 VEM AÍ, DE NOVO!

REACH OUT TO THE TRUTH POR U$10

Trabalhar, estudar, trabalhar, estudar… onde encontro tempo para conhecer todas as coisas boas da vida virtual?! Persona 4 está na minha infinita lista de pendências, e ele até andou me fazendo cogitar a compra de um PSVita… mas pelo visto P4 Golden, a edição “definitiva”, vai esperar mais um pouco: o título original estará retornando para PS3 pela PSN como um PS2 Classic logo logo, a partir de 8 de Abril!

P4 é um caso muito bem sucedido, um dos melhores RPGs disponíveis por aí. Isso não sou eu quem está dizendo, são várias outras pessoas. Embora não o tenha conhecido propriamente falando, já assisti sua versão animada (muito boa) e amo sua trilha sonora — este último detalhe culpa de Shoji Meguro (pra variar).

Ah, e se a mencionada trilha sonora não lhe conquistar, com faixas como Reach Out to the Truth, lembre-se das fusões de Personas, das batalhas por turnos, e de todo o ar colegial e cool que estes investigadores de assassinatos passam.

6 anos depois e Persona 4 continua dando muito o que falar, felizmente! Guarde U$10 e você talvez poderá dizer que eles foram os "10 dólares mais bem gastos na minha vida"