LOCALIZAÇÃO DE TALES OF HEARTS R ANUNCIADA!

E do nada, a Bandai Namco anuncia a localização de Tales of Hearts R, que é um remake da versão de DS lançada para o PSVita em 2013. Ainda não temos data de lançamento, mas é uma notícia que com certeza agrada em cheio aos fãs da série que possuem um Vita.

Além disso, a Namco também deixou transparecer que, se a essa versão vender razoavelmente bem, a probabilidade de vermos o Tales of Innocence R no Ocidente também será bastante alta. Confiemos!

BIOWARE LIBERA MAIS UM VIDEO COM GAMEPLAY DE DRAGON AGE: INQUISITION

Finalmente a Bioware liberou mais um trailer mostrando o gameplay de Dragon Age: Inquisition, e aparentemente, não se mostrará desapontador como foi o Dragon Age 2. 

Dragon Age: Inquisition será lançado em 7 de Outubro para PC, Xbox 360, Xbox One, PS3, e PS4. 

GRAÇAS A BRAVELY DEFAULT A SQUARE ENIX DESCOBRIU SEUS FÃS DE JRPG MUNDO AFORA
A IDEIA AGORA É DESENVOLVER MAIS TÍTULOS PARA ESTAS PESSOAS, EU INCLUSO
Quem acompanha a Square Enix desde a época de Squaresoft guarda recordações de uma era mágica que não se repetiu, segundo muitos, nos dias de hoje. O clássico trio de Final Fantasy para PSOne, incluindo VII, VIII e IX, é um exemplo “recente” do que a empresa era conhecida, respeitada e amada. Os tempos mudaram e, enquanto ela não tenha deixado de realizar clássicos (como Kingdom Hearts e The Worlds Ends With You), sua principal franquia já não é mais a mesma.
Bravely Default foi um dos responsáveis por fazer com que a SE repensasse quanto seus JRPGs e o apelo que eles têm no mundo. O título para 3DS, que lembra deveras um Final Fantasy clássico mas dá espaço para atualizações em sua fórmula, vendeu mais de 200 mil cópias na América do Norte! Lembrando que foi a Nintendo que tomou a iniciativa de localizá-lo no lado de cá do globo.
Segundo entrevista à Nikkei Trendy o atual presidente da SE, Yosuke Matsuda, confessou que agora eles perceberam que os fãs de JRPGs estão espalhados mundo afora e que há a ideia de focar nos desenvolvimento para estas pessoas. Isso quer dizer que um RPG japonês trará elementos ao público nipônico, o que consecutivamente quer dizer que ele terá a capacidade de agradar os fãs deste conteúdo fora do Japão. Este conceito não se aplica apenas a jogos de um gênero específico, mas o que faz de uma franquia um sucesso; tomemos por outro exemplo a ideia de realizar um Hitman com elementos que os fãs da série aguardam e não mais outras particularidades para um apelo de massas: lendo isso tenho maiores expectativas pelo futuro de, digamos, Final Fantasy.
Alguns consideram, como o produtor Dave Cox da Konami, o mercado de nicho algo infrutífero. Já Matsuda tem nele sua estratégia para retornar às raízes e audiência núcleo, ou um público que gosta daquele tipo de jogo. 
Que todo o conceito de Yosuke Matusuda/Square Enix reflitam em RPGs/jogos que revivam os tempos dourados sem necessariamente precisarmos de remakes e/ou remasterizações.
[Fontes: Siliconera, Kotaku]

GRAÇAS A BRAVELY DEFAULT A SQUARE ENIX DESCOBRIU SEUS FÃS DE JRPG MUNDO AFORA

A IDEIA AGORA É DESENVOLVER MAIS TÍTULOS PARA ESTAS PESSOAS, EU INCLUSO

Quem acompanha a Square Enix desde a época de Squaresoft guarda recordações de uma era mágica que não se repetiu, segundo muitos, nos dias de hoje. O clássico trio de Final Fantasy para PSOne, incluindo VII, VIII e IX, é um exemplo “recente” do que a empresa era conhecida, respeitada e amada. Os tempos mudaram e, enquanto ela não tenha deixado de realizar clássicos (como Kingdom Hearts e The Worlds Ends With You), sua principal franquia já não é mais a mesma.

Bravely Default foi um dos responsáveis por fazer com que a SE repensasse quanto seus JRPGs e o apelo que eles têm no mundo. O título para 3DS, que lembra deveras um Final Fantasy clássico mas dá espaço para atualizações em sua fórmula, vendeu mais de 200 mil cópias na América do Norte! Lembrando que foi a Nintendo que tomou a iniciativa de localizá-lo no lado de cá do globo.

Segundo entrevista à Nikkei Trendy o atual presidente da SE, Yosuke Matsuda, confessou que agora eles perceberam que os fãs de JRPGs estão espalhados mundo afora e que há a ideia de focar nos desenvolvimento para estas pessoas. Isso quer dizer que um RPG japonês trará elementos ao público nipônico, o que consecutivamente quer dizer que ele terá a capacidade de agradar os fãs deste conteúdo fora do Japão. Este conceito não se aplica apenas a jogos de um gênero específico, mas o que faz de uma franquia um sucesso; tomemos por outro exemplo a ideia de realizar um Hitman com elementos que os fãs da série aguardam e não mais outras particularidades para um apelo de massas: lendo isso tenho maiores expectativas pelo futuro de, digamos, Final Fantasy.

Alguns consideram, como o produtor Dave Cox da Konami, o mercado de nicho algo infrutífero. Já Matsuda tem nele sua estratégia para retornar às raízes e audiência núcleo, ou um público que gosta daquele tipo de jogo. 

Que todo o conceito de Yosuke Matusuda/Square Enix reflitam em RPGs/jogos que revivam os tempos dourados sem necessariamente precisarmos de remakes e/ou remasterizações.

[Fontes: Siliconera, Kotaku]

A VINGANÇA EM SHADOW OF MORDOR TEM DATA

PREPARE-SE PARA A FÚRIA DE TALION SR. SAURON

Esposa e filho assassinados, uma busca inicial por vingança mal sucedida. Talion, herói em Middle-Earth: Shadow of Mordor, consegue uma segunda chance graças a um espírito vingativo que, assim como o próprio, teve sua vida arruinada pelas hordas e trevas de Sauron. O trailer atual é todo sobre isso.

Além da história o fim do vídeo confirma que aquele-que-parece-ser-o-melhor-RPG-baseado-na-Terra-Média chegará em 7 de Outubro para XBO, X360, PS4, PS3 e PC. Quem garantí-lo em pre-order irá receber a skin/vestimenta de Dark Ranger e o acesso ao desafioTest of Power”, no qual poderemos enfrentar os capitães de Sauron.

No mês do meu aniversário já tenho o que pedir de presente. Lembrando que Shadow of Mordor conseguiu um lugar muito especial na minha wishlist deste ano